julho 13, 2024
InícioDestaquesEm Brasília, Helder Barbalho diz que escolheu para o Pará modelo de...

Em Brasília, Helder Barbalho diz que escolheu para o Pará modelo de desenvolvimento baseado em floresta viva

Publicado em

O governador do Pará, Helder Barbalho, afirmou, nesta quarta-feira, 12, que o Estado do Pará escolheu um novo modelo de desenvolvimento baseado em floresta viva, deixando para trás o modelo baseado no extrativismo.

Durante o “Simpósio do 20º aniversário da Tarugo – Ciências Políticas para o Futuro da Agricultura Sustentável”, em Brasília, Helder destacou os esforços do Estado voltados à conservação da floresta e afirmou que além do desmatamento, existem outras pautas importantes da Amazônia, em um momento que o Pará se prepara para receber a 30ª Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 30), realizada em novembro de 2025, na capital paraense, Belém.

Em seu discurso, o governador do Pará afirmou que as pautas da Amazônia são soluções baseadas na natureza e bioeconomia como um novo ativo florestal capaz de se tornar a nova commodity da região.

“Nós temos uma caminhada e uma luta para a neutralização das emissões do planeta. É a grande chance que temos de fazer com que o Brasil seja líder na commodity ambiental global. Se o Brasil é líder da commodity de alimentos, de minérios, o Brasil pode ser líder da commodity verde. E aí nós temos que fazer todos os esforços para construir a ambiência institucional para isso e para que o país, que tem estoque florestal, estabilidade e previsibilidade, seja cada vez mais atraente para o mercado”, destacou o chefe do Executivo estadual paraense.

“Se nós fizermos uma comparação entre o que era o ambiente, seja da lógica do combate ao desmatamento e o próprio modelo de desenvolvimento do Pará, antes de 2019 e após 2019, podemos observar que antes da nossa gestão acreditava-se que o Pará seria refém do desenvolvimento extrativo, atrelado à agricultura, pecuária e a mineração. Desde que chegamos, incrementamos uma nova atividade que é a atividade floresta como uma grande vocação. E a partir deste contexto nós precisamos garantir com que a floresta possa gerar riquezas que impulsionem as soluções sociais para o nosso estado”, disse Helder.

No evento, Helder Barbalho afirmou que o desafio do Pará está nas emissões de gases do efeito estufa a partir do uso do solo, o que é diferente de outros estados do Brasil.

“O uso do solo é o nosso desafio. O Pará tem uma peculiaridade em que, 95% de tudo o que emitimos de gases do efeito estufa vem do uso do solo. São realidades distintas. Se olharmos as emissões em São Paulo, é outro perfil de emissão. Se olharmos para outro território certamente encontraremos outro diagnóstico”, explica o chefe do Executivo Estadual.

“Estamos discutindo como garantir com que floresta viva possa valer mais do que floresta morta e nós estamos falando de um estado que tem cerca de 79% de floresta nativa. O nosso desafio é como fazer com que aquilo que está antropizado, derrubado, possa ser utilizado nas atividades tradicionais, intensificando produção, com políticas como a de restauro, por exemplo”, complementa.

O governador defendeu ainda o mercado de créditos de carbono como uma potencialidade no Estado.

“No Pará, estamos nos estruturando para fazer valer a monetização da redução das emissões, gerando crédito e comercializando esse crédito de carbono, por isso nós apostamos no Sistema Jurisdicional, contando com a parceria de povos e comunidades tradicionais, o que inclui ribeirinhos, extrativistas, indígenas, quilombolas e outras comunidades”, disse.

Sobre o evento – A Estação de Pesquisa Tanguro, um dos maiores laboratórios a céu aberto do mundo, celebra seus 20 anos. Localizada numa área de transição ecológica, entre Amazônia e Cerrado, em Querência (MT), a Estação de Pesquisa Tanguro abriga pesquisas voltadas a entender o impacto das ações humanas no meio ambiente. A ideia surgiu em 2004 a partir de uma parceria entre o IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), a Estação de Pesquisa em Clima Woodwell Climate Research Center, e a Amaggi.

As mudanças climáticas, o comportamento do fogo na vegetação nativa, o impacto para os animais e da intensificação do uso do solo para atividades agrícolas compõem o rol de estudos desenvolvidos por pesquisadores do Brasil e do exterior.

Da produção ao longo de duas décadas nasceram em torno de 180 publicações científicas de alto impacto elaboradas pela equipe técnica, composta por cinco técnicos de campo e dois cientistas residentes, juntamente com mais de 40 pesquisadores.

Foto: Divulgação 

Últimos Artigos

Prefeitura lança edital de chamamento para área de alimentação do Mormaço Cultural 2024

Nesta sexta-feira, 12, a Prefeitura de Boa Vista abriu o edital de chamamento para...

Ex-deputada Marília Pinto assume Superintendência de Programas Especiais da ALE após convite de Sampaio

Na manhã desta sexta-feira, 12, o presidente da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), Soldado...

Infrações por falta de cinto de segurança aumentam 57,6% em Roraima em junho

O Detran-RR (Departamento Estadual de Trânsito de Roraima) registrou no mês de junho deste...

Inscrições para Curso de Robótica Educacional em Boa Vista são prorrogadas até 14 de julho

As inscrições para o Curso de Robótica Educacional da Prefeitura de Boa Vista são...

Mais como este

Prefeitura lança edital de chamamento para área de alimentação do Mormaço Cultural 2024

Nesta sexta-feira, 12, a Prefeitura de Boa Vista abriu o edital de chamamento para...

Ex-deputada Marília Pinto assume Superintendência de Programas Especiais da ALE após convite de Sampaio

Na manhã desta sexta-feira, 12, o presidente da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), Soldado...

Infrações por falta de cinto de segurança aumentam 57,6% em Roraima em junho

O Detran-RR (Departamento Estadual de Trânsito de Roraima) registrou no mês de junho deste...